Já imaginou, um dia, pegar na sua casa e colocá-la noutra parte do mundo?

Poder afastar-se do stress da cidade, do trabalho e desfrutar de um local desconectado, no conforto que uma habitação deve ter?

As nossas casas tornaram-se a soma dos mecanismos que a fazem funcionar, o que nos impossibilita, por vezes, de a compreender. Um botão para ligar e desligar deveria ser o suficiente!

O futuro da construção passa por fazer o muito com muito pouco. A PassivDom, com os seus modelos produzidos através da tecnologia de impressão 3D, confere simplicidade à construção que, um dia, poderá ser uma solução para as nossas casas.

Esta empresa propõe dois modelos de habitação que se distinguem pela tipologia decorrente do uso para o qual se destina.

Um primeiro, “ModulOne”, constituída por 3 divisões (sala de estar/quarto, cozinha e instalação sanitária) que possibilita duas pessoas usufruírem do espaço. Ideal para se tornar um anexo para hóspedes ou para arrendamento de curta duração.

O segundo, “ModulTwo” é composto por 4 compartimentos que acrescenta, em relação ao modelo anterior, a afetação de um deles exclusivamente à função de quarto. Nesta opção, já conseguimos imaginar o módulo como uma casa de férias ou uma habitação permanente para um casal.

Foto 1Foto 2

À primeira vista, nada disto difere da arquitetura habitacional atual. No entanto, com o crescimento exponencial do turismo em Portugal, é necessário que o número de fogos existentes aumente rapidamente e que as novas construções sejam o mais otimizadas possível, de forma a rentabilizar os investimentos.

Neste contexto, a PassivDom desenvolve, através do conceito Passivhaus, uma casa possível de se libertar dos gadgets funcionais que a construção tradicional tem vindo a acumular ao longo dos anos, ao mesmo tempo que a torna auto-suficiente.

Desenvolvendo os princípios base da Passivhaus (continuidade do isolamento, espaços estanques ao ar, eliminação de pontes térmicas, vãos adequados, aproveitamento máximo dos nossos recursos naturais e um sistema de ventilação otimizado) o “ModulOne” e o “ModulTwo” são capazes de arrefecer e aquecer os espaços, sem recorrer a eletricidade ou a gás, utilizando unicamente a energia solar.

Com uma correta exposição solar, materiais adequados e, respeitando os princípios acima indicados, é possível termos uma casa em qualquer parte do mundo, sem necessidade de fundações nem condicionalismos técnicos.

A PassivDom comprova-o com estas duas inovações.
Neste link poderá visualizar um vídeo sobre uma casa PassivDom.

Fonte: https://passivdom.com/